Decisão em clima de investigação

As vítimas do incêndio no Ninho do Urubu

As semifinais da Taça Guanabara serão disputadas ainda impactadas pela tragédia no Ninho do Urubu. O clima no Rio de Janeiro segue carregado após as mortes decorrentes da chuva e do incêndio no Centro de Treinamento do Flamengo. O futebol sempre teve a missão de acalmar os corações e trazer um pouco de alegria. É isso que a gente espera dos jogos de meio de semana.
Será um consolo para uma cidade machucada, chorosa e maltratada. Que a violência passe longe do Maracanã, que a torcida se comporte e apenas torça.
No sofrimento e na dor é que vemos a união das torcidas, dos times, e como somos estúpidos e pequenos. Futebol é divertimento, apenas isso. Sem briga, violência, divisão. Precisamos de ópio, fugir por 90 minutos da realidade.

A tragédia nos aproxima, nos faz sentir mais humanos e menos egoístas. Garanto que o sonho dos meninos que se foram era disputar um Fla-Flu lotado, com as torcidas cantando, bandeiras tremulando, emoções a flor da pele. Eles merecem essa homenagem, foram cedo demais.
Porém, não podemos fechar os olhos para o incidente, pelo contrário. Se há culpados, devem responder na justiça. Jogar a culpa na fatalidade é simplório demais. Jogadores de futebol viraram mercadoria, mas não podem ser tratados feito gado. Alojamentos precários, riscos desnecessários, descaso. É claro que tudo precisa ser devidamente apurado, não dá pra condenar e culpar antes da hora. No entanto, é preciso investigar. Não dá pra empurrar pra debaixo do tapete. Indenizar é obrigação, assim como punir quem deve ser punido.
O Flamengo emitiu uma nota oficial sobre os módulos habitacionais, os populares contêineres. Segundo o clube, a empresa NHJ do Brasil, que é reconhecida como pioneira e uma das líderes do mercado, atende a todas as exigências das normas. Na nota o clube esclarece também que o material utilizado entre as chapas metálicas não é propagador de incêndios e que feita manutenção de todos os aparelhos de ar-condicionado. Tem caroço nesse angu, fato.

Ainda há algumas respostas que precisam ser respondidas. Por que esses atletas foram alojados em contêineres? O Flamengo possuía autorização para o local funcionar apenas como
dormitório. O clube recebeu dezenas de multas, além do pedido de interdição. Mas como a Prefeitura multa, notifica e deixa tudo da mesma maneira, esperando uma tragédia iminente? Muitas perguntas ainda precisam de esclarecimentos enquanto as famílias choram suas perdas

Homenagens no Fla-Flu
As homenagens às vítimas do Ninho do Urubu não param. Os jogadores do Mengão podem jogar a semifinal com o Fluminense vestindo camisas com nomes dos meninos vítimas do incêndio no CT. O clube ainda estuda a ideia. Não há uniforme atual na cor negra para ser usado em luto. Solução seria usar uma faixa ou outra camisa. Mais que homenagens se faz necessário que os clubes comecem a se estruturar de verdade e cumpram todas as medidas de segurança para que tragédias como essas não se repitam.

Pinceladas do Rurú
O torcedor ainda não entende muito bem o regulamento esdrúxulo do Cariocão. Como os gênios conseguiram complicar uma forma que era tão simples, vamos explicar por partes. Vasco e Flamengo jogam por um empate para chegarem à decisão da Taça Guanabara, que será decidida em jogo único. O campeão do turno garante vaga para a semifinal geral do campeonato. Sacou?

Sem comida. O tradicional Bar dos Guerreiros, do Fluminense, está com as portas fechadas. Segundo os antigos administradores do restaurante, situado em frente à sala de troféus, o clube não quis arcar com as responsabilidades da obra nos exaustores. Enquanto o impasse não se resolve, os associados ficam sem o tradicional ponto de encontro para jantar, assistir aos jogos e ouvir boa música.
Toma, Crivella! A festa está de volta! Os ensaios técnicos voltaram ao sambódromo no último final de semana para a alegria dos sambistas. Vila Isabel, Mocidade e Unidos da Tijuca abriram o festejo. Os ensaios acontecerão em todos os finais de semana até o carnaval. Tuiutí e Beija-Flor, a atual campeã, encerram a festa que voltou a fazer parte do calendário da cidade.

O ano de 2019 começou de forma bem estranha. Brumadinho, temporais, incêndios e a queda do helicóptero onde estava o companheiro Ricardo Boechat, um dos maiores do jornalismo brasileiro. Vai fazer falta. Descanse em paz.