Ex-técnico de Ganso defende novo camisa 10 do Flu: “Ele não é lento”

O treinador do Aparecidense-GO Márcio Fernandes é uma dessas pessoas que fizeram parte dos bastidores da história do futebol. Treinador há onze anos, o técnico de 56 anos carrega o futebol nas veias. E não só isso, viu nascer uma das famosas “gerações de ouro” do Santos.

Técnico da base santista, acompanhou joias como Neymar serem lapidadas e estrelas como Paulo Henrique Ganso começarem a brilhar. Márcio ainda guarda com carinho a foto daquele elenco de promessas da base que chegou até a final do Campeonato Paulista daquele ano.

Por fim, o jogador foi apresentado apenas dois dias depois em um dos maiores palcos do futebol. A apresentação no Maracanã, segundo o presidente do clube, foi para apresentar o local onde o novo camisa 10 das Laranjeiras ainda vai levar muitas alegrias para a torcida.

Embora longe de toda essa badalação, o ex-técnico do Santos, Ganso e Neymar, disse que Ganso pode acrescentar muito mais hoje do que quando saiu do país, em 2016, para jogar no Sevilla-ESP.

“Ele passou por alguns momentos fora do país que deram a ele alguma experiência, inclusive no jeito de jogar. Ele pode acrescentar mais hoje do que quando ele esteve aqui no Brasil”.

Ganso e Naymar eram vistos como joias nas categorias de base (Foto: Divulgação | Santos)

Estilo de jogo

Ganso em ação pelo Sevilla

Ganso teve passagem sem brilho pelo Sevilla (Foto: Divulgação | Sevilla)

Inegavelmente uma das maiores críticas ao meia na Europa era o estilo lento do jogador. Em um país com um estilo de jogo mais acelerado, a imprensa europeia chegou a cravar Ganso como uma das piores contratações do Sevilla e, por fim, atribuiu o ritmo do jogador diferente do que o do time dirigido por Sampaoli.

No entanto, Márcio Fernandes mostra conhecer o jogador como poucos e discorda. Para ele, jogador rápido não precisa ser obrigatoriamente aquele que chega mais rápido na linha de fundo. O técnico disse que um jogador que pensa rápido e consegue encontrar os espaços não pode ser considerado lento.

“Ele não é lento. Ganso é um jogador que pensa muito rápido e isso faz com que ele ocupe os lugares certos. Mesmo as pessoas achando que ele é lento, eu não acho. Trabalhei com ele alguns anos e sei a rapidez que ele tem ao pensar no jogo”.

Reencontrar o caminho do futebol

Márcio Fernandes durante jogo do Sport

Atualmente, Márcio Fernandes é técnico da Aparecidense, de Goiás (Foto: Divulgação | Sport)

Todavia, não se sabe exatamente o que fez a promessa do Santos não deslanchar na Europa – o atleta também não quis falar nada sobre o assunto na coletiva. Mas para Márcio o problema está além das quatro linhas e da relação com Sampaoli.

“Acredito que o que fez ele não render na Europa tenha sido: primeiro, adaptação; e segundo, carinho. Nos anos em que eu o dirigi, via que ele precisava se sentir importante para poder render. Se não houver uma conversa, troca de ideias do que ele precisa e o que você quer, acaba não rendendo”.

Se a perspectiva de Márcio Fernandes estiver correta, Ganso tem de tudo para reencontrar o bom futebol que fez o atleta receber a fama de “melhor que Neymar”. Em um vídeo gravado para uma rede social do tricolor carioca e durante a coletiva de imprensa, Ganso fez questão de frisar em mais de um momento o bom relacionamento que já tem com Fernando Diniz.

Se a expectativa vai se concretizar não é possível dizer, mas uma pessoas responsáveis por acender a estrela de Ganso diz que vê um casamento perfeito entre o camisa 10 e o Fluminense.

“Fernando Diniz é um treinador que gosta de propor jogo e sair com a bola. E o Ganso é um jogador que tem qualidade para isso. Acho que é uma dupla muito boa e quem tem a ganhar com isso é o Fluminense. Tenho certeza que o Fernando e o Ganso vão se dar muito bem. Fernando pela capacidade como treinador e o Ganso como jogador”, finalizou.

Quando estreia?

Fernando Diniz durante entrevista coletiva

Fernando Diniz não antecipou quando será a estreia de Ganso pelo Fluminense (Foto: Lucas Merçon | Fluminense)

Na coletiva de apresentação de Ganso o presidente do Fluminense afirmou que o jogador não foi inscrito a tempo para a semifinal contra o Flamengo ou para a primeira fase da Sul-Americana. No entanto, o dirigente pareceu otimista e afirmou que o atleta pode estrear na primeira rodada da segunda fase do Carioca, contra o Bangu.

No entanto, o novo técnico do meia não demonstrou pressa. Quando perguntado sobre o assunto no fim da partida contra o River-PI na partida válida pela Copa do Brasil, Fernando Diniz afirmou que o atleta precisa estar na forma ideal.

“É precoce pra dizer em quanto tempo vai estar disponível. Não tem pressa para a estreia dele. Ele tem que estrear em boas condições para poder jogar um bom futebol”.

As escolhas erradas de Ganso