Um fardo chamado Estadual

Vasculhando meu baú de tralhas, achei um álbum do Campeonato Carioca de 1987. Nessa época era um barato colecionar figurinhas dos times que iriam disputar o Estadual. Bati muito bafo na calçada. Hoje, a molecada prefere os cromos da NBA. Você compraria um álbum do Campeonato Carioca de 2018? Dizem que é o mais charmoso do país. Ao abrir os pacotinhos não encontraria aquelas figurinhas douradas. É… O torneio já foi mais badalado, repleto de craques.

Era uma vez…

Ganhar o Cariocão foi tão importante quanto ganhar um Brasileiro. Todo início de ano havia um suspense no ar. Quem seriam as grandes contratações para o início do torneio? A molecada se escondia atrás da capa rosa do Jornal dos Sports em busca de novidades. Pobre campeonato largado às traças, sem apelo. Até o torcedor é gozado quando diz que seu time ganhou o Estadual. “Ah, mas Campeonato Carioca não conta, né!”. E como contava antigamente.

O regulamento era simples, não dava nó na cabeça do torcedor. Entretanto, hoje temos clássicos em exaustão e semifinais de turno que não servem para absolutamente nada. Palmas ao criador da forma nonsense, inspirada nos filmes do Monty Phyton.

Ah, o velho Maraca…

Maracanã lotado

Saudade do antigo Maracanã: arquibancada de cimento, torcedores misturados, geraldinos e arquibaldos em pé, banheiros lotados e cachorro quente (Foto: Divulgação | Maracanã S/A)

As orelhas ficavam em estado de atenção quando os repórteres de rádio traziam as últimas dos clubes.  Os debates acalorados, as provocações entre jogadores, o Maraca lotado. Sim, tínhamos o maior estádio do mundo, com seus torcedores folclóricos, arquibancadas apinhadas de gente, batucada, bandeiras, cimento quente. Tinha até bate-papo na mesa do boteco para falar sobre o campeonato. Saúde!

Saudades dos jogos transmitidos pela Band, do “Tá lá um corpo estendido no chão”, das finais memoráveis, do Cocada, da caravela de papelão e da barriga artilheira. Quem será o rei do Rio? Tínhamos rei, príncipe e bobo da corte. Havia alma carioca no ar, o espírito gozador em campo. Por onde andará esse charme que tanto encantou os torcedores? Se perdeu numa esquina escura, envelheceu sem dignidade e foi trocado por um gringo qualquer. Eu tinha uma coleção de camisas dos clubes pequenos, adquiridas numa loja pequena e singular no Catete.

Procura-se!

Quem é o culpado, meu camarada? Todo mundo tem sua parcela. Sabe aquela mulher que tinha um corpão, mas que com o tempo foi maltratada, deixou de se cuidar, enrugou e o marido largou? E ela era uma taça que todo homem queria colocar na estante. Mas ela foi sendo tanto castigada e humilhada até que perdeu o interesse. No entanto, o amadorismo e o romantismo foram substituídos pelo profissionalismo. Não estávamos preparados para tanta mudança. O mundo da bola girou. Ficamos presos na ampulheta do tempo.

Os cartolas não cederam as transformações e, quando finalmente as fizeram, deram um nó na cabeça do pobre torcedor. Com regulamentos estapafúrdios, tentaram agradar muita gente para se perpetuarem no poder. Inchaço, calendário apertado, preços salgados, enxurrada de jogos, Maraca fechado, campos vazios, violência, jogos em outros estados para arrecadar mais e azar do torcedor.

Hoje, os clubes tratam a competição como uma mulher qualquer. Tá lá encostada num canto do bar. Não recebe mais elogios, nunca mais ouviu um fiu-fiu. Já tentaram acabar com ela, mas há quem ainda respeite a sua memória, as doces lembranças que nos proporcionou. Hoje, vadia por um campo qualquer. Sem aplausos nem galanteios, apenas sobrevive, esperando um milagre que a tire desse pesadelo.

Torcedor, você acha que o Estadual deve acabar? Corneta lá comigo no meu twitter @alexaraujo_75 ou pelo Instagram: @alexandrearaujo75

PINCELADAS DO RURÚ

VAR A… O Cariocão 2019 terá o auxílio do uso da tecnologia para ajudar a arbitragem. No entanto, a Federação disse que só bancará o VAR em apenas 10 jogos. Os clubes que tiverem interesse no sistema terão que desembolar R$ 25 mil por jogo para o árbitro de vídeo. O Carioca conta com mais de 90 partidas, desde a primeira fase, passando por Taças Guanabara e Rio, até chegar às semifinais e final. Ou faz em todos os jogos ou não faz. Coisas da Federação de Futebol do Rio.

ALLAH-LA Ô… Com a temperatura na casa dos 40 graus a desumana Federação de Futebol do Rio continua estimulando o torcedor a comparecer ao estádio. Marcar um jogo de futebol para as quatro da tarde em Madureira é de uma maldade causar inveja ao capeta.

JABÁ! Neste domingo (20), às 21h, na TV Brasil, estarei ao lado de Sérgio Du Bocage, Márcio Guedes e do jornalista Caio Barbosa debatendo os principais assuntos da semana no programa “No Mundo da Bola”. Te espero lá!

IMPERDÍVEL! Quem gosta de séries e de futebol não pode deixar de assistir “Sunderland até morrer”, disponível na Netflix. O documentário acompanha a luta do time inglês para voltar a Premier League depois do rebaixamento na temporada 2016-2017. Emoção, drama, bastidores do milionário futebol inglês, a relação dos torcedores com o clube, com imagens espetaculares dos jogos. Um programaço para os amantes do futebol.

Documentário sobre o Sunderland da Inglaterra

Meninos e meninas, eu vi! (Foto: Reprodução | NetFlix)

Bruno César é a grande aposta do Vasco em 2019