Elenco pede tempo para assimilar o estilo de Fernando Diniz

A escolha de Fernando Diniz por parte do Fluminense gerou um misto de sentimentos. Enquanto uns aguardavam esperançosos um novo modelo de jogo. Outra parte, por sua vez, via com desconfiança a chegada do treinador. De fato, as ideias de Diniz demandam tempo. No entanto, desde o primeiro jogo, os torcedores já mostraram que não ter muita paciência. Comportamento, aliás, comprovado pelas vaias ouvidas em vários momentos.

Mesmo que repleto de desfalques, a equipe do Flu mostrou embaraço ao apresentar o modelo de jogo de Fernando Diniz. Não é novidade para ninguém que o treinador pede por um time que saia jogando com a bola nos pés. No entanto, os jogadores em muitas oportunidades tiveram que dar chutão. De acordo com Matheus Ferraz, o estilo de Diniz ainda precisa ser assimilado pelo elenco.  

“O estilo de jogo que ele gosta é possível com o tempo, porque precisa assimilar. A questão não é dar chutão, mas se apertar tem que dar chutão. Aos pouco a gente vai pegando. Isso não é rápido. Todo jogador precisa de um tempo para implementar seu estilo de jogo”, confessou o defensor.

Fernando Diniz esperançoso

Matheus Ferraz pede tempo para o elenco assimilar o estilo de Fernando Diniz (Foto: Divulgação)

Tempo é a necessidade da vez no Fluminense. Assim como os jogadores, Fernando Diniz acredita que com o tempo as coisas vão se ajeitar. Aliás, neste primeiro momento, tudo ainda está muito novo na equipe. Além da chegada do novo treinador, o elenco também passou por uma reformulação importante. Mas, ainda assim, o comandante tricolor avaliou positivamente a estreia do seu time.

“No 1º tempo tivemos uma certa lentidão para jogar, fruto de desentrosamento. Estávamos sem sete jogadores, time não treinou junto. Eles tiveram dois pênaltis que entregamos contra-ataques fáceis de serem evitados. O volume de jogo foi bom no 2º tempo, tivemos muita posse no ataque, bolas pelo lado. O desempenho foi bom, mas o resultado foi ruim. A estreia tem um saldo positivo, tirando os dois pontos que perdemos em casa”, analisou o treinador.

 

S.O.S Fluminense: Diniz e a corte de “Abadolândia”