Ex-Fluminense elogia compatriota Yony González

Um dos destaques da pré-temporada, o colombiano Yony González vem ganhando espaço no time titular do Fluminense. Ponta de origem, o atacante tem mostrado qualidade jogando como centroavante no 4-2-3-1 de Fernando Diniz. Mas, há 18 anos, outro colombiano era sensação com a camisa tricolor: o ex-Fluminense Alexander Viveros.

Contratado em 2001, logo depois de boa passagem pelo Cruzeiro, Alexander Viveros chegou ao Fluminense no início da Era Unimed. Titular em parte da temporada, o ex-lateral esquerdo e volante foi contratado para o projeto ousado do Tricolor, que já queria ser campeão nacional, dois anos depois de ter vencido a Série C.

Yony González em ação pelo Junior de Barranquilla

González foi um dos nomes do Junior na campanha do vice da Sul-Americana de 2018 (Foto: Reprodução | Junior Barranquilla)

18 anos depois, Viveros, em entrevista exclusiva para o Esporte 24 horas, comentou sobre a passagem pelo Fluminense. Além disso, elogiou o compatriota Yony González, um dos destaques da campanha do Junior de Barranquilla-COL, na Copa Sul-Americana de 2018. Para o ex-Fluminense, o atacante colombiano pode render e muito com a camisa do Flu. Mas é preciso ter paciência para que González possa se adaptar à equipe.

“O Yony é um jogador de boa qualidade. Um cara que precisava de muito mais oportunidades aqui na Colômbia, mas, quando as teve, jogou bem. Fez grandes partidas num clube importante como o Junior (de Barranquilla). Uma das grandes características dele é a velocidade com força. Com os espaços grandes que o futebol brasileiro dá, eu espero que ele tenha a personalidade para render num clube com uma torcida tão bonita quanto a do Fluminense”, afirmou Viveros.

Ex-Fluminense chegou ao Brasil no início do milênio

Alexander Viveros em ação pela Colômbia

Atuações de Viveros pela Colômbia chamaram a atenção do Cruzeiro, que acertou com o jogador em 2000 (Foto: Reprodução | Conmebol)

Viveros faz parte da primeira onda colombiana do futebol brasileiro. O ex-jogador chegou ao Cruzeiro, em 2000, logo depois de fazer uma boa Copa América pela sua seleção, um ano antes. Lateral esquerdo de função, o jogador se tornou volante, por conta de Juan Pablo Sorín, titular absoluto da equipe celeste. Com boas atuações, ajudou a equipe a conquistar o título da Copa do Brasil e foi semifinalista do Brasileirão daquele ano, caindo para o Vasco.

O bom rendimento chamou a atenção do Fluminense, que decidiu contratar Alexander Viveros em 2001. Disposto a ser campeão brasileiro naquela temporada, o Tricolor foi ao mercado e trouxe, além do colombiano, os ex-Vasco Ramon e Jorginho, o ex-Corinthians Gilmar Fubá, o ex-santista André Luiz e o kosovar Andjel.

Os reforços se juntaram a nomes como Roger, Magno Alves e Faustino Asprilla, que já estavam no elenco do Fluminense. Entretanto, a equipe acabou batendo na trave em todas as competições em que disputou. Semifinalista da Taça Guanabara, do Torneio Rio-São Paulo e do tão sonhado Brasileirão, o Tricolor não conquistou títulos. Entretanto, Viveros guarda com carinho a sua passagem pela equipe carioca.

Viveros lembra com carinho de passagem pelo Fluminense

Alexander Viveros e Marcelinho Paraíba em ação por Fluminense e Grêmio em 2001

Ex-Fluminense Viveros (8) foi contratado para ser um dos pilares do meio campo tricolor em 2001 (Foto: Reprodução | Fluminense)

Comandado pelo técnico Valdir Espinosa, durante parte da passagem dele pelo Fluminense, Viveros elogiou o treinador. Além disso, exaltou o elenco da equipe na época, que contava com o parceiro de seleção colombiana Faustino Asprilla. O ex-Fluminense afirmou que o atacante o ajudou na adaptação ao Rio de Janeiro e ao Tricolor. Apesar de lamentar as derrotas em momentos importante, Viveros diz que a passagem pelo Flu o ajudou e muito na carreira.

“A minha chegada foi muito boa. Porque o Fluminense tinha um grupo muito competente, tinha um treinador muito bom, Valdir Espinosa. Um grande treinador, campeão do mundo. O Fluminense estava revelando jogadores como Carlos Alberto. Além disso, tinha Ramon, Asprilla. Eu estava muito jovem e o Faustino era um jogador experiente, de nível mundial. Disputamos uma temporada muito boa, mas acabamos não conseguindo títulos. Mas são coisas que te dão experiência para o resto da sua carreira”, afirmou Alexander Viveros.

Viveros exalta nova geração colombiana

Colômbia em ação na Copa do Mundo de 1998

Rincón (19), Asprilla (11) e Aristizábal (15) lideraram a primeira geração colombiana do futebol brasileiro (Foto: Reprodução | Conmebol)

Viveros faz parte de uma das gerações mais vitoriosas do futebol colombiano. O ex-volante chegou ao futebol brasileiro no rastro do sucesso de Freddy Rincón, Victor Aristizábal e do próprio Faustino Asprilla. 18 anos depois da sua saída do Brasil, o ex-jogador vê uma nova geração de jogadores bem-sucedidos vindos da Colômbia.

Jogadores como Yerry Mina, Gustavo Cuéllar, Miguel Borja, Orlando Berrío e Santiago Tréllez vem tendo sucesso no futebol brasileiro. E Alexander Viveros tem a sua parcela de culpa. Afinal, o ex-volante se tornou responsável por ajudar jogadores colombianos a se adaptarem ao Brasil e à cultura de futebol no país.

E o trabalho de Viveros vem rendendo frutos. Afinal, a rápida adaptação e o bom rendimento de Yerry Mina, por exemplo, levou o ex-zagueiro do Palmeiras ao Barcelona-ESP. Para Viveros, isso passa pelas semelhanças entre os jogadores da Colômbia e do Brasil. O ex-Fluminense acredita que é possível sonhar com mais colombianos se destacando no país.

“Todo mundo sabe que o Brasil é um dos principais expoente do futebol mundial. E na América do Sul, o primeiro. A Colômbia coloca muito jogador na Argentina, mas como os jogadores colombianos têm características muito mais parecidas com os brasileiros, isso facilita as coisas. Como os times do Brasil sabem da qualidade do jogador colombiano, eu acredito que tenham cada vez mais atletas colombianos no país”, concluiu Viveros.

Caio Henrique sonha com títulos pelo Flu