S.O.S Fluminense: Diniz e a corte de “Abadolândia”

Prepara o ouvido que a corneta vai tocar alto nas Laranjeiras! Se não bastasse o caos financeiro no Fluminense, a crise política e a covardia do presidente Pedro Abad em não renunciar ao cargo, o torcedor tricolor ainda terá que preparar o coração para altas doses de adrenalina na temporada.

O ano promete… promete sofrimento, poucas possibilidades de conquistas e um time para lá de mediano. Saudades do meu plano de saúde, das contratações impensadas e bombásticas. É dura a realidade tricolor. Vende o pouco que tem para preservar os poucos que ainda restam.

Alguém vai ter de pagar a conta…

Pedro em ação pelo Fluminense

Na mira de europeus, Pedro pode ser vendido para saldar dívidas do Fluminense (Foto: Lucas Merçon | Fluminense)

Tenho a impressão de que quando o atacante Pedro voltar da contusão – o que deve demorar ainda mais um pouco -, ele automaticamente estará se despedindo do Fluminense. Vai trocar a muleta por uma caneta para pagar as dívidas do clube. O quase artilheiro do último Brasileirão é uma das últimas reservas para deixar as contas em dia.

Assim como na invasão à Serra Pelada nos anos 80, uma hora a fonte vai secar e será difícil garimpar. Aí meu amigo, é torcer para o Fluminense continuar revelando em série bom jogadores. “Uh vem que tem os moleques de Xerém! ”, cantará em desespero a pífia e patética diretoria para os empresários.

O que esperar do Fluminense no Cariocão?

Agenor em ação pelo Fluminense

Eterno reserva no Sport, Agenor é a “aposta” do Fluminense para 2019 (Foto: Lucas Merçon | Fluminense)

Bom, também não adianta chorar sobre o leite derramado e lamentar aqueles que deixaram o clube. O Cariocão vai começar e precisamos analisar o que veremos em campo em 2019. Com a saída do goleiro Júlio César, valorizado pela torcida somente após a grande atuação contra o América-MG na última rodada, Rodolfo ganhou a posição.

No entanto, terá a sua sombra (e que sombra!)  o robusto “Ageneur”, eterno reserva de Magrão no Sport. Em Recife, formavam a dupla o gordo e o magro. Acho que o Rodolfo está no mesmo nível do ex-goleiro, ou seja, ambos não inspiram nenhuma confiança.

E tem mais…

Gilberto está se recuperando e volta para o lado direito. Na esquerda é Mascarenhas ou Marlon. Não tem pra onde fugir. Marlon sobe menos, marca mais. Mascarenhas fez uma boa temporada no Botafogo-SP, pelo menos é o que dizem. Aliás, duvido que alguém tenha acompanhado mais de dois jogos do glorioso caipira. Com a saída de Gum, patrimônio histórico tricolor, Fernando Diniz poderá armar a zaga com Digão e Matheus Ferraz, com a opção de colocar o jovem Ibañez.

O torcedor tricolor já reparou a quantidade de Matheus que há no time? Culpa das mães da Copa de 94 que ficaram encantadas com o gesto de Bebeto no gol contra os Estados Unidos e resolveram batizar toda uma geração de Mateus, com ou sem th. Não vejo nenhum Paulo Sérgio, Ronaldão ou Raí perambulando por aí.

Jogador de procedência “froteiriça”

Yoni Gonzalez durante treino do Fluminense

Yoni Gonzalez chega para solucionar os problemas do ataque do Fluminense (Foto: Lucas Merçon | Fluminense)

Meu enteado é tricolor fanático, administra uma conta com notícias do Fluminense no Instagram (@atleticodeflu) e ainda vê o lado bom das coisas. Doce ingenuidade pré-adolescente. Vibrou com a contratação do tal Yony Gonzalez, do Junior Barranquilla, da Colômbia.

Eu sempre vou desconfiar de produtos colombianos, embora o amigo e competente jornalista Eugênio Leal, da Fox Sport, tenha me garantido que o cara é bom de bola. Se jogar como o Sornoza já é meio caminho andando, mas vai precisar de alguém ao seu lado.

Bota a camisinha…

Nenê e Ganso em campo

Qual ex-jogador se encaixaria melhor no Fluminense: Nenê ou Ganso? (Arte: Montagem | NetFlu)

O Fluminense precisa de um camisa 10 mesmo que seja o Ganso ou o Nenê, ex-atletas em atividade. Nunca fui fã do Ganso, acho um excelente jogador para os anos 80. Lento, preguiçoso e dorminhoco. Mas a torcida precisa de um alento. O Ganso é aquele jogador clássico que você assiste e logo se lembra do canal 100, dos lances em slow motion.

Apesar do seu jeitão Rivotril Boy, acho que a diretoria deveria chutar o balde e contratar o meia. Ele está precisando de time, dá para barganhar e quer renascer por futebol. Fracassou na Europa, levou um pé na bunda do Amiens, uma espécie de baranga do Tinder que ninguém da crush. Ainda assim acho que o Ganso seria uma boa.

É um risco, mas vale correr. Para quem não tem nada amigo, a metade é o dobro, já disse o pensador Lopes Maravilha. A torcida comprou o barulho e já invadiu o Instagram do jogador pedindo para o meia acertar com o tricolor.  Gosto do Nenê, apesar da idade.

A diretoria precisa se virar, fazer recomposições, vaquinha e dar alguma coisa para agradar um pouco mais o torcedor.  Trazer Caio Henrique, Bruno Silva, Ezequiel, e uma horda de Matheus, é igual ganhar meias no Natal.

Professor Pardal

Fernando Diniz durante sua chegada no Fluminense

Inventor do futebol moderno, Fernando Diniz tem a missão de colocar o Fluminense nos eixos em 2019 (Foto: Lucas Merçon | Fluminense)

A grande aposta do Fluminense está no banco de reservas. Fernando Diniz é um treinador ousado, tenta fazer o diferente, é ofensivo, tem um estilo que é só seu.  Às vezes dá certo, outras vezes nem tanto. É uma espécie de Paulo Barros dos treinadores.

Fez um ótimo trabalho no Audax com um time de desconhecidos, mas não brilhou no Furacão. Acho que foi o grande acerto dessa péssima diretoria. Se conseguir encaixar as peças e fazer o time jogar mesmo com um elenco fraco e enxuto, o Flu pode não passar vergonha em 2019. Sorte ao Diniz!

O Fluminense deve começar o ano com Rodolfo; Ezequiel, Digão, Ibañez e Marlon; Airton, Bruno Silva e Mateus Gonçalves; Luciano, Everaldo e Yony González. Time estreia sábado, diante do Volta Redonda, no Maracanã.

Torcedor tricolor, o que você achou dos reforços para a temporada? Corneta lá comigo no meu twitter: @alexaraujo_75 ou pelo Instagram: @alexandrearaujo75

Pinceladas do Rurú

SIM, TEMOS TIME: Fernando Diniz já está dando a sua cara ao time. No treino realizado contra a Cabofriense, o treinador escalou o colombiano no ataque, com a meiuca sendo formada por Mateus Gonçalves e Luciano jogando um pouco mais recuado. Outra opção seria a entrada do meia Danielzinho, mas acho que o rapaz ainda precisa ganhar grossura de homem. Speed Gonzalez, o popular ligeirinho, pode atuar jogando no lado de campo, mas também faria a função de armador. Mas, ao que tudo indica, Diniz encontrou outra função para o novo reforço tricolor.

GRANA EM CAIXA?: Segundo informações vindas da Abadôlandia, o Fluminense estaria acertando com um grupo de investidores alguns patrocínios pontuais para o Cariocão. Uma verba que entraria em boa hora para quitar dívidas e acalmar os ânimos em Álvaro Chaves.

ENQUANTO ISSO, NA TERRA DO JASPION… : Marcos Junior, o popular “resolve”, foi apresentado oficialmente no Yokohama Marinos, do Japão. O atacante posou para a foto ao lado da mascote do clube e brincou ao fazer o golpe de Kuririn, personagem do desenho Dragon Ball. Por falar em futebol japonês, o outro time de Yokohama anunciou a renovação de contrato de Kazu Miura, que jogou no Santos e no Coritiba nos anos 80. Kazu vai completar 52 anos, vai para sua trigésima quarta temporada como profissional e se tornou o jogador mais velho em atividade. Haja fôlego!

O TIME NA MINISTRA: O Boavista apresentou parte do elenco para a disputa do Cariocão 2019. Algumas caras são bem manjadas como o meia Carlos Alberto, Tartá e Gustavo Geladeira. Mas a grande atração foi o lançamento de uma camisa rosa. Sinal que meninos também usam essa cor.

ISSO É FUTEBOL: Parabéns ao Palmeiras pela nobre atitude ao ajudar o pequeno Galvez, do Acre, time que o próprio verdão eliminou na Copinha de empresários. Como não tinham grana para voltar, o Palmeiras decidiu pagar a passagem de volta e, além disso, vai doar material esportivo para ajudar o clube acreano. Nota 10!

Saída de Abad é o único jeito para salvar o Fluminense