Vasco apresenta balanço da gestão e projeto para modernizar São Januário

Joel Silva

, Vasco

O Vasco realizou na noite da última terça-feira (18), o 1º Encontro com Investidores. O evento, realizado no Centro de Convenções da Bolsa do Rio, teve como finalidade mostrar ao mercado financeiro tudo o que foi feito pela atual diretoria. Alexandre Campello iniciou a apresentação explicando os motivos que o fizeram ser o presidente do Vasco. O mandatário também contou a sua trajetória no clube, iniciada na década de 80, ainda como médico.

Em seguida, o vice-presidente de controladoria, Adriano Mendes, explicou em gráficos, a reestruturação financeira que o clube vem passando. Citou algumas melhorias, como o plano de sócios, a parceria com a TOTVS, implementando um sistema integrado de informações, destacando também a maior transparência da atual gestão. O que chamou a atenção foi a estimativa da diminuição do passivo do clube em R$ 104 milhões. Segundo o dirigente, o Vasco vai terminar 2018 com uma dívida de R$ 506 milhões.

Adriano Mendes é o responsável por todo o planejamento financeiro e estratégico do Vasco. (Foto: Rafael Ribeiro | Vasco)

Dirigente afirma: “é possível recuperar o Vasco”

Plano diretor para São Januário

Por fim, o mais esperado da noite, foi a apresentação do plano diretor para modernização de São Januário. Conforme adiantado aqui no Esporte 24 Horas, o responsável pelo desenvolvimento do projeto é o vice-presidente de obras de engenharia e patrimônio, Pedro Seixas. O dirigente adiantou que o estádio vai passar por obras já no 1º semestre de 2019. O gramado e o sistema de iluminação serão trocados. Para o 2º semestre, está em pauta a construção de novos vestiários e bares. Tudo dentro do planejamento, evitando os “puxadinhos”.

A ideia do projeto é entregar São Januário totalmente repaginado em 2027, ano do centerário do estádio. O orçamento inicial é de R$ 208 milhões, com a Colina Histórica aumentando a capacidade para 41.442 lugares. A boa notícia para o torcedor é que o caldeirão será mantido, com 30 mil lugares em arquibancada de cimento. Para viabilizar as obras, o Vasco deseja criar um fundo imobiliário.

Pedro Seixas revela projeto para São Januário: “Um caldeirão moderno”

Mais mudanças

Confira outros tópicos da apresentação:

  • O problema de visibilidade da parte superior da social de São Januário será resolvido com a construção de 49 camarotes.
  • O setor leste, que fica atrás dos bancos de reservas, terá cobertura, camarotes e novas cabines.
  • Construção do setor Sul e fechamento do anel das arquibancadas de São Januário. A capela será mantida e no local também terá um estacionamento.
  • Criação das torres Norte e Sul. A Norte com viés comecial, tendo acesso do público. No local está previsto ter um restaurante com vista para o campo, sala de troféus, museu e loja. Já na torre Sul, setor administrativo do clube.
  • Muros de São Januário serão demolidos. Estádio passaria a “respirar”, dando mais espaço para o torcedor transitar. Rampas de acesso seriam criadas.
  • Construção de uma torre esportiva para outras modalidades. Parque aquático também passaria por reformas visando a modernização das instalações.

Pedro Seixas apresentando o plano diretor de São Januário. Próximo passo é criar um fundo imobiliário. (Foto: Rafael Ribeiro | Vasco)

Centro de treinamento também em pauta

O Vasco está próximo de conseguir junto à Prefeitura a cessão de um terreno em Vargem Grande. O local, com 118 mil m², será o Centro de Treinamento do futebol, englobando base e profissional. O valor estimado para tirar o projeto do papel é de R$ 45 milhões. No entanto, devido aos problemas técnico do solo, a conclusão das obras ficando para 2024. Estima-se que serão usados R$ 18 milhões apenas para preparar o solo, com terraplanagem e geotecnia.

Vasco paga um mês de salário mas segue em atraso