Diego Jardel se orgulha da passagem pelo Botafogo

Com uma filha de 1 ano e prestes a ser pai novamente, Diego Jardel aproveita a qualidade de vida oferecida no Qatar. Com boas passagens pelo Avaí e Botafogo, o meio-campista vai se firmando no futebol qatariano. Atualmente, o jogador é titular absoluto no Al-Arabi e já coleciona gols pelo novo clube. Enquanto vive dias tranquilos e estáveis em seu novo país, o brasileiro se recorda dos feitos que conseguiu no Brasil. Por exemplo, sua passagem pelo Alvinegro carioca.

“A minha passagem pelo Botafogo foi uma das experiências mais interessantes da minha carreira. Tive a oportunidade de jogar em um grande clube do futebol brasileiro, com história e tradição. Foi uma temporada muito especial, conseguimos atingir todos os objetivos do clube. Colocamos o clube na Série A, recuperamos o entusiasmo do torcedor e chegamos na final do Carioca. Foi uma passagem de muito aprendizado que levo com muito carinho até hoje”, comenta.

Quando chegou no Botafogo, Diego Jardel viu um cenário complicado. Recém-rebaixado, com muitas dívidas e um elenco limitado, o clube naquela temporada apresentava ambições pequenas para suas tradições. Mas o momento não intimou o grupo. Apesar de ter poucas expectativas, o Alvinegro fez um ótimo Estadual e chegou na decisão. Autor de um dos gols da Final, Diego considera aquela experiência uma das melhores da sua carreira.

“A final do campeonato carioca, realmente, foi uma surpresa para muitos. Mas não para nós, a gente conhecia nossa qualidade e os nossos objetivos. No futebol as coisas se definem dentro do campo, porém, infelizmente a gente não conseguiu chegar ao título. Para mim aquele jogo foi muito especial, pude fazer um gol no Maracanã lotado e em uma final de Carioca, é de marcar a lembrança de qualquer atleta”, revela.

Clube de coração

Diego Jardel declara amor ao Avaí

Mesmo que tenha vividos bons momentos no Rio de Janeiro, foi em Santa Catarina que seu coração ficou. Nascido na pequena cidade de Águas Mornas, Diego Jardel cresceu e apareceu no futebol vestindo azul e branco. Apesar de muitos jogadores realizarem o sonho de jogar por seu time de coração, poucos conseguem marcar seu nome no clube. Mas o meio-campista conseguiu. Levando o Avaí ao acesso para Série A, em 2014 e 2016, o jogador criou lanços com o torcedor avaíano.

“Com o Avaí é um caso de amor. Foi o clube que me abriu as portas para o cenário nacional, o clube da minha cidade e do meu coração. Então foi muito especial conseguir os dois acessos. É muito gratificante receber sempre o carinho do torcedor, lembrando do que fizemos e, principalmente, recordar o gol do acesso em 2016. Até hoje eu recebo muitas mensagens de carinho do torcedor avaíano. Por isso, procuro sempre nas minhas férias ir à Ressacada. Não escondo de ninguém o carinho pelo clube e fui muito feliz em todos os meus momentos lá”, conta Diego Jardel.

Experiência no Qatar

Sair do futebol brasileiro e buscar espaço mundo a fora é um grande desafio. No Al-Arabi, desde 2017, Diego Jardel conta que o início longe do Brasil é complicado e o processo de adaptação se faz necessário. Mas garante que o mais pesou na sua escolha foi a qualidade de vida no país. De acordo com o jogador, no primeiro momento o dinheiro chamou mais atenção, porém, logo ficou em segundo plano perto da estrutura oferecida no Qatar.

” A minha vindo para Al-Arabi, do Qatar, foi uma oportunidade financeiramente muito boa para mim e minha família. Nós estávamos buscando uma estabilidade financeira maior, quando surgiu a proposta não pensei duas vezes. A cultura e os costumes são completamente diferente do que no Brasil. No começo, a gente sofre um pouco para se adaptar. Mas agora com mais de um ano no país, a gente já se sente em casa. O país é maravilhoso de se viver, tem segurança, educação e qualidade de vida. Isso para mim vale muito mais do que o dinheiro”, afirma Diego Jardel.

Assim que chegou ao futebol árabe uma notícia o assustou. A punição da FIFA ao clube que está contratando seus serviços, por atrasos salariais, gerou insegurança. Mas o atleta garante que não sofreu com esse problema, até o momento. A busca por uma imagem positiva, em virtude da Copa do Mundo de 2022, pode estar sendo o diferencial. Sobre a preparação do Qatar para a próxima Copa, Diego Jardel conta que o país trabalha constantemente em prol da competição.

“Desde a minha chegada pude perceber que o Qatar pensa exclusivamente na Copa do Mundo de 2022. Impressiona a organização, a estrutura e a tecnologia com que eles estão trabalhando. Não tenho dúvidas, essa competição vai surpreender muita gente. Por ser um país pequeno e novo, anos atrás só tinha deserto por aqui, não tem uma expectativa muito alta. Porém, tenho certeza que será um grande Mundial”, garante o meio-campista.

Naturalização

Reprodução

Diego Jardel busca carreira no Qatar

Nos últimos anos, o Qatar tem o costume de naturalizar jogadores de outros países para jogar pela sua seleção. Anteriormente, Emerson Sheik e Rodrigo Tabatá tiveram a oportunidade de disputar jogos oficiais pela seleção do país. Com 28 anos, Diego Jardel revela que a proposta o agrada mas que ainda está longe de se concretizar. O jogador conta que adquiriu um carinho pelo Qatar e que torce por sucesso esportivo da nação.

“A gente tem conhecimento sobre a naturalização de estrangeiros aqui no país. Porém, ainda não penso nisso. Estou aqui somente a uma temporada, começando a segunda, ainda não chegou nada para mim. Mas quem sabe, se um dia vier acontecer o convite vou refletir com minha família e o que decidir o que é melhor. Enquanto isso a gente tem que estar focado em dar nosso melhor dentro de campo. O extracampo a gente deixa com outras pessoas, mais encarregadas e com maior conhecimento no assunto. Eu adquiri um carinho especial pelo Qatar e torço para que eles surpreendam nas competições que vierem a disputar”, conta.

Planos de Diego Jardel

Embora muitos jogadores busquem o futebol árabe para construir uma independência financeira. Com a chega de nomes como Xavi, Gabi, Eto’o e Sneijder, o nível do campeonato e as expectativas dos atletas se elevaram. Nesse sentido a construção de carreira no Qatar tem se tornado um objetivo cada vez mais comum. Segundo Diego Jardel, o sonho de jogar na Europa persistente mas o foco é fazer seu nome no país.

“Pretendo jogar por mais dez anos, ainda tenho grandes sonhos. Atualmente, meu pensamento é fazer meu nome do Qatar. Mas ainda quero ter uma oportunidade no futebol europeu e jogar grandes ligas. Tenho que pensar e trabalhar grande. Como eu sempre digo: “Nós somos do tamanho dos nossos sonhos”. Tenho trabalhado com preparado físico particular para melhorar e manter meu preparo físico. Para voltar ao Brasil, pretendo já ter uma estabilidade financeira e poder disputar o Brasileiro por uma grande equipe. Enquanto isso, vou trabalhando e me preparando para os desafios futuro”, conclui Diego Jardel.

Rodrigo Tabata deslancha no futebol do Qatar

 

One Comments

Deixe uma resposta

6 − um =