Bandeira revela planos do clube para gerir Maracanã

Jorge Abel Costa

, Flamengo

“Queria ter melhores resultados no futebol”. As palavras de Eduardo Bandeira de Mello ilustram o sentimento do torcedores rubro-negro, nos últimos anos. Com uma administração que recuperou o Flamengo em termos de financeiros, estruturais e de modernidade, Bandeira gravou seu nome na história. Porém, carrega consigo o peso dos resultados diante da alta expectativa que seu trabalho gerou. Em entrevista ao Esporte 24 Horas, o presidente faz um balanço da sua gestão na frente do clube.

Queria mais. Mas tenho a consciência tranquila de que fiz o melhor. Não só eu, mas todos os profissionais envolvidos que trabalham comigo. Vamos entregar o clube em situação superior a que recebemos”, confirma Bandeira.

Ser presidente do Flamengo deve ser o sonho de muito torcedor. Como foi o de Eduardo Bandeira de Mello, vendo os jogos pela arquibancada e com ânsia de melhorar a realidade que assistia. Hoje, com dois mandatos e cinco anos no clube, o dirigente compartilha o sentimento de estar a frente da administração do Rubro-Negro.

“Honra muito grande, principalmente, de quem veio da arquibancada. Nunca vão ouvir de mim que sou um homem realizado por ser presidente do Flamengo. Serei realizado se o Flamengo for campeão de tudo, independente de ser o presidente”, revela Bandeira.

Apesar de ter grandes resultados na gestão administrativa, no futebol foram poucos os títulos. Até o momento, desde a chegada de Bandeira à presidência, Flamengo só conquistou três Cariocas e uma Copa do Brasil. A falta de maiores conquistas no profissional também incomoda o dirigente.

“Não pode ser suficiente. Torcedor do Flamengo só fica satisfeito se ganhar tudo. Mesmo ganhando, não está realizado. Trabalhamos para conquistar tudo. A torcida rubro-negra tem consciência que buscamos trabalhar dentro desse propósito. Eles valorizaram bastante esse trabalho. Que demandou muito esforço na recuperação da dignidade do clube”, afirma.

MARACANÃ, CASA DO FLAMENGO

Maracanã em dia de jogo do Flamengo

Flamengo tem contrato com a concessionária que administra o Maracanã até o fim de 2019 (Foto: Gilvan de Souza | Flamengo)



Com a vida financeira saudável e estabilizada, Bandeira agora busca solucionar a questão da casa rubro-negra. Ao longo do anos muitas possibilidades foram comentadas. Para a utilização da Gávea, o presidente revelou que os planos são fazer do local uma estádio para jogos de menor apelo, das categorias de base e abrir para shows e atrações. Além disso, o dirigente deixou aberto a possibilidade de reativar o Ninho do Urubu. Porém, o plano principal é assumir a administração do Maracanã.

“São duas frentes: uma delas é o Maracanã. O grupo Odebrech tem muitos problemas e não deve seguir com a administração do estádio. Com a licitação, vamos nos habilitar. O Maracanã na mão do Flamengo dará mais conforto e segurança aos torcedores e visitantes. Além disso, disponibilizaremos acessórios para garantir a rentabilidade do investimento. Se não for possível, construiremos um novo estádio. Com melhor balanço hoje, temos condições de construir uma arena de grande porte”, compartilha Bandeira.

EDUARDO BANDEIRA DE MELLO, LEGADO

Desde que chegou ao Flamengo, em 2013, Bandeira teve muito trabalho para colocar o clube nos trilhos. Durante o período, o Rubro-Negro apresentou superávit, novo Centro de Treinamento e ótimos resultados na base.  Hoje, com seu mandato chegando ao fim, o presidente define o equacionamento das dívidas como seu legado para a instituição.

“Não sei se é o maior legado, mas é importante porque o objetivo principal do Flamengo é evoluir cada vez mais. Conquistar vitórias no futebol e nos demais esportes jamais será possível se não fizer trabalho base sério na área administrativa e financeira. Isso para gerar condições de investimentos para buscar o que a torcida mais exige que são os títulos”, avalia Eduardo Bandeira.

A postura exemplar como administrador ao estabelecer uma engenharia financeira para pagar dívidas e conseguir recursos e contratos importantes são o ponto alto da gestão. Sobre o projeto financeiro no clube, Bandeira conta que se cercou dos melhor profissionais na área e que o trabalho em equipe foi o diferencial na recuperação.

“O trabalho não é feito exclusivamente por mim. Tenho um grupo muito competente. Conto com especialistas numa gestão profissional. Meu grupo é formado por profissionais de alto nível no mercado e que tem condições e perfil para trabalhar em qualquer grande empresa brasileira. Graças a isso conseguimos mudar de patamar. Divido esse sucesso com eles”, conclui o dirigente.

CASO LUCAS PAQUETÁ

Lucas Paquetá em ação pelo Flamengo

Lucas Paquetá foi convocado por Tite para os amistosos do Brasil contra Estados Unidos e El Salvador (Foto: Gilvan de Souza)


Ter um jogador convocado para a Seleção Brasileira é sempre motivo de orgulho no clube. Mas quando as datas da convocação se sobrepõe a um jogo decisivo, o orgulho vira angústia. Sobre a convocação de Lucas Paquetá, Bandeira faz elogios ao atleta mas critica a postura da CBF.

“A CBF teve atitude reprovável na convocação ao atentar contra a seriedade da competição que ela organiza. Ele foi chamado na reta decisiva da Copa do Brasil. Isso vai beneficiar o Corinthians. Mas Paquetá é fantástico e foi convocado com todos os méritos. Certamente, é um dos principais jogadores do Flamengo no momento. Um exemplo de atleta. Sempre dedicado desde as divisões de base. Pode fazer muito pelo nosso futebol”, analisa.

BASE RUBRO-NEGRA

Se no futebol profissional os resultados ainda não surgiram, na base conquista é o que não faltou nessa gestão. O presidente credita o sucesso obtido nas categorias de base ao trabalho de estruturação do CT e todo departamento de futebol do clube.

“Evoluímos muito nas divisões de base. Quando assumimos, as categorias estavam numa situação caótica. Foi um trabalho a longo prazo. Com investimentos na infraestrutura, reformas em instalações e contratações de profissionais de alto nível. Os resultados estão surgindo. Jogadores em seleções em todas as idades. Logo que chegamos, o Centro de Treinamento estava em estado precário. Hoje, é um CT de referência internacional. Não deve nada aos clubes europeus. Na base, teremos o melhor do Brasil”, revelou o Bandeira.